top of page

Como é feito o diagnóstico do Autismo em crianças?

Atualizado: 7 de mai. de 2022

Se uma criança tem sintomas de transtorno do espectro do autismo (TEA), o profissional que a acompanha a encaminha para avaliação especializada. Na maior parte das vezes, é o próprio pediatra quem faz o encaminhamento, mas outro profissional também pode pedir a opinião de um especialista – por exemplo, um fonoaudiólogo ou psicólogo, procurados pelos pais por atraso na fala, suspeita de surdez ou por falta de interação com familiares por exemplo.

Idealmente, a criança já vai à consulta com o especialista em autismo com a escala M-CHAT preenchida e com uma pontuação que indique algum grau de risco. Caso não tenha sido aplicada, é interessante fazer o teste na primeira consulta.

Para saber mais sobre a escala M-CHAT e acessar gratuitamente uma versão on-line da mesma, clique aqui.

A avaliação geralmente inclui um histórico médico completo (da criança e da família), exame neurológico e discussão com os cuidadores sobre o comportamento da criança e quaisquer outros questionamentos. Hábitos de sono, alimentação, humor, assim como história de complicações na gravidez ou no parto, crises convulsivas, atrasos no desenvolvimento, também são importantes para identificar condições associadas.


O objetivo da avaliação inclui:


● Determinar se a criança tem TEA ou se outra condição pode estar causando os sintomas da criança

● Determinar se a criança tem algum problema médico associado ao TEA que deve ser avaliado ou tratado. Por exemplo, hiperatividade, epilepsia, ansiedade, insônia, deficiência intelectual ou alguma síndrome genética.

● Determinar os pontos fortes (potencialidades) e fracos da criança (quais pontos abordar nas terapias) e o nível de funcionamento (gravidade)


Para confirmação do diagnóstico pode ser necessária a aplicação de uma escala diagnóstica para o transtorno do espectro do autismo (TEA). Esta difere do M-CHAT por ser mais detalhada, aprofundada, levar mais tempo para ser realizada, e pelo fato de necessitar de treinamento especializado para aplicar. Inúmeras escalas foram criadas, mas mais conhecidas são a ADOS-2 e a ADI-R, mas ambas foram desenvolvidas fora do país e, além do custo elevado para treinamento, apesar de utilizadas, ainda não foram validadas no Brasil.

Uma opção interessante é a Escala LABIRINTO para o Diagnóstico do Autismo, que foi idealizada pelo Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa em Autismo, desenvolvida com crianças brasileiras e adequada para a realidade do país. É uma escala observacional (a criança é avaliada e testada através de atividades e brincadeiras durante um período com o profissional). Ela apresenta elevada acurácia quando comparada à escala CARS, outro teste muito utilizado no Brasil.

Outra opção é uma avaliação com neuropsicólogo, que, por meio de uma bateria de testes, pode confirmar ou afastar o diagnóstico de autismo. O teste neuropsicológico pode levar mais de um dia para ser aplicado e, no final, é emitido um relatório completo pelo profissional com os resultados de todos os testes executados,

É de suma importância também uma avaliação com fonoaudiólogo, psicólogo infantil e, a depender da necessidade, terapeuta ocupacional, psiquiatra ou outros profissionais. Crianças maiores podem precisar de psicopedagogo caso haja dificuldades no aprendizado escolar.



320 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page